terça-feira, 4 de outubro de 2011

Centrais de Flagrantes apresentam balanço das atividades


Governador e o secretário Antônio Ferreira Pinto (Segurança Pública) acompanham a apresentação do balanço de 60 dias das Centrais de Flagrantes da capital

Dois meses depois da implantação das Centrais de Flagrantes na capital, a Polícia Civil aumentou em 20% o número de boletins de ocorrência registrados, em 15% a quantidade de flagrantes e em 15,9% as prisões efetuadas. As informações constam do balanço de 60 dias do novo sistema de gestão da Polícia Civil na capital, apresentado ao governador Geraldo Alckmin nesta terça, 4, na sede da Central de Flagrantes da 7ª Seccional em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Nos 60 dias, foram feitos 7,4 mil registros criminais - autos de flagrante, termos circunstanciados ou boletins de ocorrência.

O governador e o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, ficaram extremamente satisfeitos com os dados divulgados pelo delegado responsável pela Polícia Civil da capital, Carlos José Paschoal de Toledo. No período, a Polícia Civil conseguiu também aumentar em 14% a quantidade de inquéritos abertos para investigação de crimes.

"Os resultados são muito fortes, muito positivos. Aumentou o número de registros e aumento também de prisões nesse período. O B.O. é feito em 20, 25 minutos, facilitou a vida da população. O flagrante, que levava três, quatro horas, hoje leva 60 minutos, no máximo. A PM já volta para a rua para poder fazer o policiamento ostensivo e preventivo", afirmou o governador Geraldo Alckmin.

Elaborado pela unidade de Inteligência do Decap (Departamento de Polícia Judiciária da capital), o balanço aponta o êxito do novo sistema de registro de flagrantes na cidade de São Paulo. Os resultados vêm de uma comparação entre o número de registros de dois meses (agosto e setembro) de 2010 com 2011.

Um dos principais benefícios do novo sistema foi a redução do tempo de registro de flagrantes e de BOs. Agora, os policiais retornam mais rapidamente às ruas para reforçar o patrulhamento. O tempo médio de elaboração de um boletim de ocorrência nos 93 distritos policiais da capital diminuiu de três horas para 25 minutos. Já o registro de flagrantes, que demorava em média quatro horas, caiu para 60 minutos, até a liberação dos policiais.

Nova política

As Centrais de Flagrante fazem parte de um pacote de mudanças proposto para reorganizar e melhorar o trabalho da Polícia Civil na Capital. Nas delegacias seccionais, onde funcionam as centrais, são registradas ocorrências de flagrante delito, inclusive captura de procurados da Justiça e atos infracionais. Dessa forma, as 93 delegacias da Capital ficaram à disposição exclusiva da população.

Para garantir a rapidez no atendimento, a equipe de cada delegacia é formada de acordo com a demanda da região. Além de separar os flagrantes, termos circunstanciados e atos infracionais do registro de outros tipos de ocorrência, o novo modelo de gestão melhora as condições de trabalho do policial civil, garantindo a qualidade no atendimento.

A inauguração das nove centrais foi dividida em duas fases. Na primeira, em julho deste ano, entraram em funcionamento as unidades da 4ª, 5ª, 7ª e 8ª Seccionais. Na segunda, em agosto, as unidades da 1ª, 2ª, duas da 3ª e a da 6ª Seccionais começaram a atender a população.

Da Secretaria da Segurança Pública

Nenhum comentário:

Postar um comentário