segunda-feira, 14 de maio de 2012

GOVERNO DECIDE...

Milton Marinho

Eu, Milton Marinho poeta que arde em febre nessa terra de ratos, urubus, saúvas e pouca saúde: Não sei se é porque o céu é azul celeste/ Que a terra amante me estende as mãos ardentes/ Que eu escrevo versos alegres como marionetes/ E afiados e precisos como palitar dentes. Versos de MaIakovski, poeta russo, revolucionário. Tenho a infeliz honra de atestar que essa meia colher, essa gambiarra de governo do PT de Itororó governa sem poesia. Sem poesia significa governar sem amor pelo seu povo, sem devoção pela causa cristã que é o que deve propor um governo sério e que dessa proposta se fará surgir uma nova sociedade. O que vemos aqui nesse paraíso assombroso é que ele, o governo passou dos limites em sua vocação e talento para a desconstrução do edifício humano que pregávamos antes desse apocalipse social que empossamos como modelo, porque passou ele a escolher quem vive e quem morre em Itororó através de sua Secretaria de Saúde. A tragédia grega é a fonte de toda poesia vivida nos últimos anos no nosso território. Um olimpo de lágrimas e misericórdias sem precedentes registra nossos anais. Sorte ou azar nosso, temos Milton Marinho que poderia se calar diante de tanta injustiça, mas que fora politicamente treinado por este time (nos seus primórdios), que se acha dono do PT, para não se calar. A direita histórica se debate em agonia porque ela continua no poder, mas não está no comando. A esquerda petista se misturou com o óleo e com o joio. Que é mesmo um louco. Que só não rasga dinheiro porque não tem dinheiro para comprar cola. Como dizia Leminski. / Pasmem vocês, mas não deem ouvidos ao que ele escreve, ou ao canto da sereia que ele entoa, mesmo com as provas apresentadas, seladas e carimbadas por nós. Somos pessoas idôneas, que carregamos em nosso espírito de governo uma alma franciscana, cristã; Abjeta, porém cristã. Aquele que governa para quem mais precisa; os ricos. Aquele governo que foi concebido sem pecado para melhorar a vida do povo de nossa cidade. O governo do PT de Adroaldo, o galo. O que acorda mais cedo para tecer e entristecer as manhãs com suas manhas e seus dons mais cristalinos que pau de galinheiro. O que traz a saúde para o povo através de uns comprimidos de “Mezarim” e algumas pomadas do óleo do peixe elétrico. Só que do outro lado do espelho desse governo, tem um povo que chora lágrimas de sangue porque está marcado para morrer e este povo vai morrendo aos poucos. Tem me chegado às mãos uma série de pedidos de exames (vide foto), de pessoas pobres que não podem fazê-los por negligência do setor (Secretaria de Saúde do município), que recomenda que estes enfermos se dirijam a clínicas particulares de renomados médicos da região. É um governo cruel, separatista segregacionista e desigual. Gostaria que a “extraordinária” saúde do município, tão cantada e decantada pelo governo do PT de Adroaldo explicasse para nós o critério que ele adotou para permitir que uns cidadãos, viverão e outros não, em Itororó. Se acaso, pacientes que precisam de exames ou cirurgias, cujo valor não está ao seu alcance, merecem morrer. Isto é um fato em nossa cidade. Atesto e dou fé.
Este governo e sua Secretaria de Saúde olham para o enfermo e enxergam VOTOS. Se o paciente tiver uma família de três ou quatro votos, então o sujeito “malmente” recebe uma guia de exame de fezes, urina ou sangue, mas se o doente tiver no seio familiar uma árvore genealógica muito frondosa, isto é, com mais de vinte ou trinta membros, aí, ”a gente estuda o caso, meu irmãozinho”: Nesse caso, especialmente neste caso, se o paciente tiver uma simples dor de cabeça, o braço do governo se estende para ele. Estará de prontidão para ele, de cara uma Ressonância Magnética Computadorizada do cérebro do sujeito, um impecável exame neurológico, eletroencefalograma, “implante de neurônios” ou chips para o cidadão voltar tinindo para as suas atividades etc.
Eis um decreto claro baixado pelo governo de Adroaldo: Fica o povo proibido de contrair doenças graves, cujo diagnóstico venha mexer com o orçamento sagrado da saúde, este, que em sua maior parte, está destinado para salvar a pele e a doença dos ricos. Esta verba da saúde que jamais poderá ser tocada pelo povo pobre, senão o projeto de poder do governo deste PT, de ficar “trocentos” anos no comando será arranhado e a histórica e saudável elite que domina o município desde a década de 50, pode ficar afetada por alguns males, com isso, todo esforço que o governo está fazendo para destruir Itororó pode fracassar. Isso é o que não se pode admitir num governo fantástico como este.
Tenho ajudado e muito este governo. Ajudado a reduzir a gravidade dos que estão marcados para morrer por falta de assistência médica. Pois aqui em Itororó existem dois tipos de doentes: Municipais e federais. Aqueles que dependendo SUS são os municipais; os doentes federais são os que têm todo amparo do governo, além de outras benesses, é claro. Quanto à minha ajuda aos doentes municipais, tenho encaminhando pacientes toda semana para centros médicos e hospitais de Vitória da conquista e região. Nesse exato momento, estão sendo marcadas cirurgias de vasectomias de funcionários do governo do PT de Adroaldo que não obtiveram êxito em seus pedidos junto à sua Secretaria de Saúde. Médicos amigos meus não tem medido esforços para ajudar o cidadão de Itororó. Nenzim “Cara de Onça” é uma das pessoas mais importante nesse processo. Será “Ministro da Saúde”, um dia. Secretário do município ele já é. Sem receber um centavo do município para tal tarefa. Adroaldo está doido para comprá-lo. Ele já é seu e de graça, prefeito. Tu é que não sabe. Nenzinho Cara de Onça é do Brasil. Acredito piamente que entre a Secretaria de Saúde do município de Itororó, um pai de santo, um vendedor de raiz ou uma rezadeira, estes estão anos luz à frente salvando pessoas.
Milton Marinho
PS. Breve estrearei coluna que vai tratar exclusivamente de poesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário