quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Parlamentares evangélicos criticam possíveis mudanças no Código Penal

As mudanças estão sendo discutidas com base em um anteprojeto de lei assinado por uma comissão de juristas coordenada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Gilson Dipp. A proposta (PLS 236/12) trata de temas diversos, como o enriquecimento ilícito e a diminuição de penas para furtos simples. O texto também transforma em crime algumas contravenções penais em áreas como direito cibernético, terrorismo e trânsito, além outras diversas alterações.
Pedro Taques anunciou que os senadores terão até o próximo dia 5 de outubro para propor emendas ao texto. Segundo o relator, não há prazo determinado para o fim do trabalho da comissão especial que analisa a proposta no Senado, mas o coordenador da frente, deputado João Campos (PSDB-GO), já disse que é contra a votação da proposta até o final deste ano.
Permitir que o Senado discuta, debata e vote a reforma de um código em um semestre é um contrassenso. É verdade que a sociedade evolui. Resta saber se a proposta dessa comissão de juristas corresponde à vontade da maioria ou se só de algumas minorias. Só poderemos avaliar isso após um debate amplo, que exige mais tempo argumentou. O deputado Arolde de Oliveira (PSD-RJ) acrescentou: Claro que o código tem de ser ajustado, não há dúvidas disso, mas não podemos usurpar a vontade popular.
A Câmara também analisa uma proposta de reforma do Código Penal . O texto em análise na Casa, porém, é menos polêmico e não trata de assuntos como aborto e eutanásia. A proposta da Câmara ainda precisa ser aprovada pela Subcomissão de Crimes e Penas para começar a tramitar.

Homoafetividade - Os parlamentares reclamaram ainda da possibilidade de criminalização da homofobia: Devo aos homossexuais o meu respeito e não sou homofóbico. Agora, é preciso ter liberdade de expressão. Por exemplo, se você descobre que a babá do se filho é homossexual e você não quer que ela oriente seu filho, já que isso vai contra o que acredita, contra a orientação de Deus, você não pode despedi-la? Que conversa é essa?, questionou o senador Magno Malta (PR-ES).
O senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) acrescentou: "Tenho de ter o direito de condenar o homossexualismo como uma prática pecaminosa. Não tenho nada contra os homossexuais em si, até porque trabalhamos para que eles possam deixar essa prática.
Outra queixa dos integrantes da bancada evangélica é a possibilidade de descriminalização da posse de drogas em pouca quantidade, da eutanásia e do aborto. Com relação a este último tema, Malta foi enfático: Nós não vamos negociar, não atentaremos contra a natureza de Deus. Se Deus determina a vida e a ele cabe o porquê de todas as coisas, no cabe a nós questioná-lo. A sociedade brasileira, se ouvida, na sua maior parte, rejeita o aborto. Esses e outros temas precisam ser mais bem debatidos, ponderou o deputado Roberto de Lucena (PV-SP).
Quanto à eutanásia, Magno Malta também protestou: Se um psicólogo não pode nem prescrever um remédio, poderá prescrever a morte? Com todo o respeito a esses profissionais, Deus é o único que pode definir quem vive e quem morre.
Quanto às drogas, o senador questionou os possíveis interesses por trás da descriminalização: Estamos combatendo o tabagismo e as grandes indústrias, perdendo lucro. A maconha, se legalizada, será industrializada. É preciso ter em vista quem ganhará com a legalização das drogas, porque a população em geral só tende a perder.

Violência sexual - O coordenador da frente parlamentar, deputado João Campos (PSDB-GO), também declarou ser contra a possível diminuição da idade máxima para tipificação de violência sexual contra vulneráveis. Segundo Campos, a proposta em análise no Senado (PLS 236/12) determina que qualquer prática sexual com menores de 12 anos deverá ser considerada necessariamente um estupro, independentemente do consentimento da vítima pela norma em vigor, o limite de idade é de 14 anos. É como se estivéssemos caminhando para a legalização da pedofilia no Brasil, afirmou.
A deputada Liliam Sá (PSD-RJ) também afirmou que a redução da idade deve favorecer o aliciamento de meninos e meninas para a prostituição. Os pedófilos, os abusadores e os aliciadores estão aplaudindo de pé essa proposta. Isso fere o princípio da isonomia e ataca os direitos das crianças e dos adolescentes, declarou.
Autor: Reportagem -Carolina Pompeu , Edição -Marcelo Oliveira

Um comentário:

  1. Um "VIVA" à “Liberdade de Expressão”...Olá Senhores Parlamentares, estou aqui pela descriminalização do uso de drogas, em especial o uso de cannabis... Gostaria que tudo fosse liberado (na verdade tudo que é Ético, o é) por isso o homem sempre luta contra a proibição...... liberar a maconha ou não é uma questão política, moral, financeira, RELIGIOSA, social... não Ética. Queremos LIBERDADE! faz parte da essência mais intrínseca do “SER”, porém ainda somos animais racionais, estamos exercitando a única faculdade que nos distingue das outras espécies, e as vezes não agimos de acordo com a Ética.... Eu tenho um motivo pessoal pra apoiar a legalização.... eu prefiro viver sem máscaras..... Toda proibição praticamente obriga o uso de máscaras) e não acho justo ter que vestir máscaras por usar MACONHA!... Se eu fosse PEDÓFILA (entendo pedofilia como: qualquer intenção sexual dispensada de uma pessoa "Adulta" a pessoas que naum possuam física, emocional, ou psicologicamente a maturidade e o discernimento necessários para essa prática) adoraria ter muitas máscaras para esconder meu desvio de caráter "sexual". A “ÉTICA" independe de vc concordar ou não, existe pra todos.... Nem nas tribos mais rudimentares, nem nos animais irracionais existem casos de bebês e crianças (filhotes) serem assediados sexualmente.... Naum porque é proibido.... mas por não ser Ético... Já na condição humana adquirimos o direito ao livre arbítrio e à medida que dilatamos a consciência somos "cobrados" por nós mesmos a não ultrapassar a ética.... não existe dentro de mim nada que me obrigue a esconder que faço uso de substância psicotrópica..... naum preciso que liberem, fumo de qualquer jeito, a questão é: por que naum liberar? E a resposta sempre vai de encontro à contradições infinitas.... Por que naum liberar a PEDOFILIA? Nem os próprios indivíduos praticantes desse ato brigam por esse “direito”. Por que? Por que eles não têm esse direito.... o meu direito termina onde começa o do outro... violentar, assediar, estuprar, matar, roubar invade absolutamente o direito do outro.... FUMAR NÃO!!
    Quanto à colocação: “Estamos combatendo o tabagismo e as grandes indústrias perdendo lucro. A maconha, se legalizada, será industrializada. É preciso ter em vista quem ganhará com a legalização das drogas, porque a população em geral só tende a perder”, entenda que será dado o direito também ao "PLANTIO" e nesse caso só irá consumir maconha industrializada quem quiser, isso será opcional......Queremos aqui o direito de podermos ser quem somos, desde que o meu direito não interfira no do outro....O povo não perderá NADA!!! Somos bastante maduros e conscientes pra aceitarmos as difernças, por exemplo, aceitamos que voces sejam evangélicos e acreditem em uma coisa que jamais foi provada aos Senhores, por que os Senhores não podem fazer o mesmo e aceitar que existam tantas outras verdades no Uiverso além da de voces?!?

    ResponderExcluir