segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Ora Bolas! - Coluna de Mario Junior - A César o que é de César


 mariojunior-orabolas@hotmail.com
E a vida segue...até agora só vi choro de alegria pelos contracheques... e choros falsos...Pura arte.
Quero saber quem chorará de vergonha por ter prometido mundos e fundos para nossas crianças atletas e associados do clube.
Afinal de contas, Ora Bolas! O choro é livre. Mas a urna traz a verdadeira dor.
Do Botafogo e do Vasco falarei na semana que vem. Mas encerro essa coluna com uma homenagem à grande botafoguense Beth Carvalho, desejando-lhe saúde e uma pronta recuperação.
Constatei essa semana que o futuro dos clubes do Rio de Janeiro aponta para uma mudança de status: passa de sombrio para inexistente.Com suas previsões totalmente vinculadas às suas gestões financeiras, separei alguns pontos importantes que dão um certo embasamento a essa mudança de patamar.
Mesmo com o imenso esforço na aquisição das certidões negativas de débitos, o Flamengo depara agora com mais uma surpreendente cobrança relativa à uma obscura negociação com o consórcio Plaza, quando da intenção de se construir um shopping no clube da Gávea. A cobrança de uma dívida (ainda que contestada) pode atrapalhar completamente o planejamento para 2014. Com retorno de penhoras e, consequentemente, com a incapacidade de cumprir as suas obrigações fiscais, o Flamengo, depois de ter bem encaminhado um controle no seu fluxo de caixa e, com isso sonhar com investimentos no seu futebol e em projetos olímpicos, pode retornar à estaca zero.
Semelhante a isso, porém com uma visão diferente e errada, o Fluminense declara aos quatro ventos (dito pelo próprio presidente) que não pretende investir no pagamento de suas dívidas e na aquisição das CNDs, declara para quem quiser ouvir que não pretende pagar suas dívidas, apenas resolver suas pendências com a fazenda para desbloquear seus bens, oriundos das vendas de jogadores.
Com isso, podemos mais ou menos entender que a PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional) será a única que receberá o que lhe é devido, ficando os outros credores a ver navios.
Dá para compreender então a desconfiança da PGFN em fazer acordo com o clube das Laranjeiras e da alaranjada vestimenta." ISONOMIA para os nossos direitos; jamais para nossos credores "
Como nem só de grana vivem os clubes, vamos a um assunto que estará em pauta principalmente no Fluminense: a política.
Tudo indica que apesar do pouco tempo, surgirá em breve um quarto nome que concorrerá ao pleito em 23 de novembro. A condução da política de união das oposições à gestão Peter parece não estar sendo bem digerida por importantes segmentos do clube.
Em uma reunião recente onde foi apresentada a intenção do ex-jogador Deley em concorrer à presidência, surpreendeu os convidados a declaração do Sr. Júlio Bueno de que já teria um nome para a vice-presidência de esportes olímpicos do clube, o que causou um imenso mal estar com os representantes desse segmento presentes à reunião que se perguntavam: " O que eu estou fazendo aqui ? Não temos nem a candidatura do Deley definida e já temos candidato ao esporte olímpico!"
Como sabemos que o Sr. Júlio Bueno não tem na política o seu forte - o que nos dá uma imensa certeza de sucesso da Sec. de Desenvolvimento Econômico do Estado - ainda há tempo de desfazer esse mal entendido, pois se há um setor no clube avesso a esses tipos de negociações, esse é o esporte olímpico.
Enquanto isso, em outra reunião, um outro candidato que já chorou na frente dos jogadores, do Conselho Deliberativo, do patrocinador e agora na frente de seus correligionários, continua seu teste para estrelar alguma novela global.
"Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário