LUIZA

domingo, 9 de novembro de 2014

ITORORÓ - BAHIA - OS POSSÍVEIS CANDIDATOS E SUAS CHANCES EM 2016

Agora, mais do que nunca, começa pra valer o jogo da sucessão municipal de Itororó. Metido a pensador que sou, vou tentar traçar aqui, os ‘paralelos e os meridianos’, que levarão nossos eleitores, tão profissionais quanto aos nossos políticos, à arena, onde os bichos que não são de se criarem soltos deverão estar.

As escolas dos candidatos que, por ora me pus a comentar, são as mesmas desde 1958, ano de emancipação de nossa cidade: O direitismo cada vez mais afiado de cada um, e, à luz da interpretação não menos diferente um do outro, eles estão dispostos a desafiar as leis da “gravidade” do oficio de nos representar.


Pela ordem dos votos, adquiridos nas eleições de agora com seus deputados, cujo montante a eles foram atribuídos: Marco Brito, Edneu, Gustavo, Adroaldo e a Frente Cidadã de Orlando Simões e doutora Virgínia, doutor Adauto e a professora Cláudia.

Vou me aventurar a dizer o que penso, já que a sociedade itororoense, está cheia de pensadores, mas se calam diante da realeza dos senhores que controlam os meios de comunicação da cidade, sem ao menos se valerem dos meios alternativos para uma mínima agenda de discussão programática.

Que engenharia deve fazer estes nossos atores para galgar o posto de prefeito da ‘antiga’ capital da carne-de-sol?

Marco, Edneu e Adroaldo, conhecem bem o caminho das pedras para avançar; sendo que, dos três, o “leão” Marco Brito possui o melhor aliado para sua quinta conquista: a máquina.

1) MARCO BRITO - Para Marco Brito ganhar esta eleição, será necessário que ele possa registrar sua candidatura sem aquele pantanoso caminho que lhe foi designado na eleição passada, e que o elegeu. Marco sofreu mais que muleta em sovaco de aleijado para obter o feito, tudo em função de uma série de irregularidades contidas em sua ficha. A coisa estava tão preta e as barreiras da Justiça Eleitoral tão severas para Marco que, em dado momento, Marco, em nome do pai, Henrique Brito (para ganhar tempo), deu um nó de porco na justiça, tão bem dado, ao ponto que, (por uma espaço de tempo) o milagre aconteceu: a ressurreição eleitoral do seu nobilíssimo genitor. Apareceu o saudoso Henrique Brito como candidato, e depois, com a mesma magia e destreza Marco fez com que ele “invurtasse” num passe de mágica. O “registro espírita” do digníssimo deputado se deu por conta da espetacular habilidade de seu “garoto prodígio”, que, como Hodini hipnotizou a todos da justiça por algumas horas até que...

Marco Brito foi um verdadeiro “Ninja” na arte de guerrear, tanto contra os próprios brios, (ter feito as pazes com Edneu depois de 20 anos), como contra os obstáculos que a justiça lhe impôs, vencendo assim, todos eles, e aos trancos e barrancos registrou sua candidatura. Não deve esquecer ele, que desta vez, a brecha que permitiu seu registro para a disputa de 2012 pode não existir mais. A Lei da Ficha Limpa se aprimora a cada dia e, por aquele “buraco” na lona do “circo”, encontrado por Marco para entrar pelos fundos, que o garantiu disputar as eleições, nosso prefeito não entra mais, porque, aquele “buraco”, já foi costurado. Por outro lado, Marco, de lá para cá, também já se armou de modernos instrumentos (políticos/judiciais) de combate para defesa e ataque contra os seus inimigos.

Para sua reeleição, Marco Brito precisa garantir a presença de Edneu em seu palanque e mais nada. Porém, para isso, será necessário mais do que um nome na chapa para vice e um percentual de cargos no possível “Governo do Bem IV”. Outras regras e outros acordos terão de viger, para o bem de Marco e felicidade geral do bando de leões que lhe acompanha. Edneu, o Jacaré, vem assando a batata de Marco há muito tempo. Talvez, dê tudo certo para Marco nessa sua nova conquista do “Buda”, talvez não. Mas, se der certo para Marco, dará certo para Edneu também. Só assim, teremos na prefeitura de Itororó, mais um ciclo de pessoas que detestam a alternância do poder, pregando para si, o culto à prosperidade diante de uma fonte que nunca cessa: a fonte do dinheiro público.

Portanto, Marco ainda é o favorito sem sombra de dúvida.



EDNEU OLIVEIRA

O jacaré, ou o Buda, como é conhecido o ex-prefeito, que junto com Marco, comanda o município há quase trinta anos, é o segundo nome mais forte de minha lista para a sucessão municipal. Os votos que deu a Sandro Régis confirmam essa tese. Se realmente, ele quiser disputar o pleito, primeiro vai ter de passar pela peneira do tempo e da justiça, para que, ambos possam declará-lo apto a obter o seu registro em 2016. De outra forma, não terá nenhuma chance. Faz se urgente que seu grupo comece a contar nos dedos, os dias que faltam para a sua prescrição de inelegibilidade imposta lá atrás pela justiça, que me parece terminar justamente no ano da eleição, e quase às vésperas da data do pleito.

Das alianças possíveis de se fazer, Edneu não vai encontrar espaço em nenhuma outra legenda que não sejam as legendas que poderão estar com ACM Neto e Sandro Régis, compilados e prensados no DEM que se definha como partido ao ponto de essas mesmas lideranças já declararem a sua extinção. Com o DEM extinto para onde vai Edneu? Turvo é o seu cenário no estado e nos municípios. Alguns diriam: Edineu iria com o PT, já que Adroaldo tanto o procurou em seu mandato, e não obteve êxito. Pode alguém estar pensando que agora dê certo, mas não dá. O inimigo declarado do PT no estado é o que resta do DEM e o PSDB. Para onde Edneu for o PT não vai com ele. Portanto, Edneu está fora dos planos do PT, e mais distante ainda de assegurar a cabeça de chapa numa eventual intenção de coligação com Adroaldo e companhia. Os ‘capa-pretas’ da oposição no estado têm outros caminhos para Edneu. De todos os sacrilégios o DEM é capaz, menos este. Até porque, trocar seis por meia dúzia é melhor ficar com a oposição de Marco que Marco cumpre acordo, e Adroaldo, não.

A salvação de Edneu ser cabeça de chapa para 2016, só terá razão de ser, se Marco Brito não puder ser candidato, por contas dos impeditivos legais que o cercam. Assim, o leão retiraria sua candidatura e apoiaria Edneu, mas para Marco retirar sua candidatura para hipotecar apoio a outro nome que não seja o seu, seria algo digamos muito especial “sobrenatural”, diria. Marco contrariaria sua natureza de inveterado jogador de um jogo em que ele domina como poucos, e no dia que a contrariou, fora severamente castigado pelo apoio que deu a Adroaldo. Ali, o leão viu a cobra fumar.

Edneu, por mais que mereça este crédito, e merece mesmo. Pois apoiou Marco para vencer Adroaldo. Não seria de modo algum, algo que depusesse contra o que está aí, não fosse mais atraso para uma população cansada de sofrer. Só que, não devemos nos esquecer que o que depõe contra ele é essa sorte de tormenta que vem lhe abalando as condições em matéria de saúde nos últimos tempos, além de contar com o grupo do leão jogando contra essa possibilidade e, ainda conta mais; o grupo de Marco está robustecido pelos neoleões que devagarinho, abandonaram o “Buda” e se achegaram para o grupo do leão: Gel, Washington soldado, Val Bacana, Gilton Alves, Sergipe, Biduinha e tantos mais que compõe a savana da conveniência do leão.

A parada não será mole para Edneu e seus asseclas de carteirinha. A flosofia do “Buda”Edneu é a simpatia e óleo de peroba in natura que ele sempre utilizou para se transformar nesse mito, apesar da passagem do tempo.

2) DOUTOR GUSTAVO

A ascensão do Dr. Gustavo ao terreno da disputa em questão se deu de forma meteórica. Gustavo, forjado na escola de Adroaldo, talvez, tenha sido o único vereador jovem que, ao cabo do primeiro mandato de vereador, tenha sido promovido ao cargo que postula com boa parte da sociedade eletiva cantando seu nome.

Acredito que não foram os anos de vereança do excelentíssimo que tenha lhe trazido o bônus dessa primazia. O bilhete conquistado para concorrer ao cargo de prefeito em 2016 se deve, exclusivamente, a administração do seu ex-líder e guru Adroaldo Almeida, que devolveu ao seu antigo dono a cadeira de prefeito. Adroaldo estar chorando amargamente as pitangas de não ter cumprido os acordos que fizera com o atual prefeito Marco Brito. O maior mérito do mandato de Gustavo foi ter brigado com Adroaldo e, logo em seguida ter buscado em Antônio Brito o pilar de sustentação de sua caminhada para a tão sonhada eleição municipal.

Antônio Brito que recebeu em Itororó, a maior votação que um deputado federal poderia receber de agente político “per capta”, isto é, por cabeça. Disso, tanto pode se orgulhar o deputado quanto seu vereador, doutor Gustavo.

Gustavo fez o jogo certo. Apoiou Antônio Brito, deputado da base, sem sair do PT; apoiou Rosemberg Pinto, e deu a ele, a quantidade de votos casados com seu federal, mais do que Adroaldo deu A Geraldo Simões, portanto, Gustavo, se qualificou com as duas legendas, embora a do PTB pouco importar para ele; ele quer mesmo, é ficar no PT de Rui E de Dilma, seus majoritários estadual e federal; sem arredar pé do seu maior padrinho Antônio Brito, que será seu emissário para conseguir a legenda do PT junto ao governador. A disputa interna não terá validade alguma nesse pleito, pois o desgaste do xerife municipal do partido (PT), Adroaldo terá de reconhecer o avanço de Gustavo em detrimento de sua queda.

Um pedido de Antônio Brito junto ao governador renderá ao vereador Gustavo mais que dinheiro na caixa. Rui, quando puxar a “capivara”, isto é, a fixa do ex-prefeito do município, verá que Adroaldo, (ao seu modo, não foge à luta), haverá de reconhecer a saga do vereador em ascensão.

Rosemberg, vai ter de ter muita habilidade para domar o ex-prefeito, que mesmo sem condições quer a disputa, custe o que custar. Pelo que eu, (e aquela mesma torcida do Flamengo), conhecemos de Adroaldo, ele não vai deixar barato, se esse cenário se configurar. Adroaldo vai uivar como um lobo ao ponto de fazer sangrar a lua e, sem piedade, fazer cair sobre Gustavo toda constelação e toda álgebra estelar. O PT que se prepare. A canção de Anita pode ser o jingle que o vereador deve adotar para a sua pré-campanha.

Nas mãos de Antônio Brito, se encontra o ingresso de Gustavo para enfrentar Adroaldo na batalha pela primazia da disputa da eleição municipal. Os demais obstáculos lhe serão acrescentados, pelo próprio “companheiro” Adroaldo que, apesar de Gustavo precisar muito de seu apoio para seguir em frente; o modo como o vereador vai operar isso, é que não será nada fácil.

Adroaldo mesmo afirmando seu apoio, é capaz de tudo para negá-lo. Mesmo jurando fidelidade à ordem franciscana que ele diz pertencer e, estando ele, de joelhos, com a mão pousada sobre a bíblia; mesmo depois de tudo combinado com governador, deputados, partido, Adroaldo é capaz de arremeter e colocar o projeto do ambicioso e lutador Gustavo a perder. Isso, todos já sabem.

As chances de Gustavo passam também pela possibilidade de Edneu acabar o casamento com Marco e não apoiar ninguém; isto é, ter candidatura própria. Melhor seria, se Edneu lhe apoiasse, mas aí, esbarramos nos caciques estaduais do DEM e do PSDB que têm no PT o inimigo público número 1 das oposições, além do próprio Edneu que, por uma questão de luta de classe, assim entende também. Até porque, eles precisam fazer o “grampinho” governador em 2018. Edneu e Itororó são fundamentais para essa possibilidade.



3) ADROALDO

Este, pela pérola de obra que construiu, vai comer o pão que o diabo amassou; vomitar e tornar comer de novo para encontrar o caminho das pedras que lhe permita registrar sua candidatura. Agora, nosso “fenomenal estrategista”, sem representação federal, vai depender muito do deputado Geraldo Simões e do novo governo estadual. Um lance de dados somente não basta para que Adroaldo se erga na política de Itororó. Se durante o mandato o advogado Gustavo comia em sua mão, agora é o contrário. Adroaldo terá de rezar na cartilha de sua cria, o vereador que deu mais votos ao deputado Antônio Brito na Bahia.

Das probabilidades: se Geraldo for chamado para secretário no governo do estado, talvez, possa o ex-prefeito levantar a crista, contratar um bom advogado e sonhar com o seu registro. Apesar de Geraldo não ter sido eleito, porém, goza ainda o deputado de prestígio dentro do partido e, ainda é o quadro mais importante do PT na região, afinal, foram quase 70 mil votos contabilizados que tiveram ele e seu filho Tiago Simões. Rui, o governador, fazendo a leitura do que isso representa vai ter em Geraldo seu escudeiro em nosso território. Adroaldo tem que se apegar com ele para sobreviver até 2016.

Sobre suas pendências com a sociedade, que durante o pleito virão á tona como coelhos na seara da do poder judiciário, Adroaldo retirará de sua colheita os frutos de toda desgraça que plantou como governante. Além do mais, será preciso que, antes de adquirir um advogado bom para lhe ajudar nessa tarefa, o ex-prefeito terá que passar pela justiça de Itororó, o seu primeiro pesadelo.

Doutor Rojas Sanches, uma das melhores vozes da magistratura ancorada no Fórum Durval Fraga desde a sua inauguração, tem na imparcialidade um princípio. E, vai debruçar o seu olhar de autoridade justa que é, sobre a ficha do mandato de Adroaldo com a mesma visão que debruçou sobre Marco, e sobre qualquer um. Quando chegar o momento de solicitação do registro. Adroaldo não passará pela porteira do Cartório Eleitoral recorrerá ao TRE; e, olha a ironia do destino aí; quem é que Adroaldo vai encontrar naquele tribunal de notáveis? O desembargador Dultra Cintra. Ele mesmo. O velho conhecido desembargador baiano, autor do voto que deu a Marco Brito o salvo conduto de seu registro no TRE e, o mesmo, que foi por Adroaldo injustamente vilipendiado e maculado em sua honra, quando andou ele, espalhando notícias nas redes sociais sobre eventual negociação de Marco com o desembargador para tal fim sem nenhuma prova. O resto do episódio, que condenou, mais tarde, “inocentes úteis”, a pagarem multas além de suas posses; Itororó e a torcida do flamengo já sabem. Talvez, por essas e outras que Adroaldo tenha precisão de um candidato que não seja ele próprio. Foi justamente, nesse turbinado vácuo deixado por seu companheiro mor que o vereador Gustavo disse para o próprio si: abre alas que eu quero passar, e está passando. Resta a Adroaldo o norte do bom senso. - de admitir, que sua fase não é das melhores, e que a vida tem de seguir dentro do que ele bem conhece como o princípio da razoabilidade, mas que, tanto insiste em negar.

Como um fantasma que ronda todas as esquinas de Itororó ao mesmo tempo, a espada afiada da justiça aguarda Adroaldo numa delas, para cumprir o seu destino.


Supondo que Adroaldo supere todas as barreiras da justiça, ele vai precisar de muito mais para não fazer feio em 2016. Se ele não conseguir o apoio de Edneu, (como estrategista que ele diz que é), e deve ser mesmo, pois, ainda tem seguidores pendurados em sua saia, ele, deverá fazer de tudo para retirar Edneu das costelas de Marco, torcendo que Edneu realmente esteja livre dos processos que o amargam até em 2016, só assim, o galo terá alguma chance de aspirar novamente ao velho labirinto que o levará de volta ao poder em Itororó. Em política nada é impossível.



4) FRENTE CIDADÃ

A Frente Cidadã é um grupo político que começou a se reuni no início do ano, com o objetivo de pensar a cidade de forma administrativa e sustentável dentro de suas esferas de poder, donde, o trato com o dinheiro público seja de uma gestão que contemple melhor toda sociedade.

Em seu corpo, se habilita para tamanha tarefa, o médico Adauto e a professora e empresária Cláudia Pinheiro, o empresário Orlando Simões e a promotora Virgínia Alcântara dentre outras figuras que aspiram para Itororó dias melhores.

Qualquer nome que venha surgir desse novo agrupamento será de grande importância para oxigenar o debate polarizado com as velhas forças da direita concentradas em Edneu e Marco Brito, sem também deixar de dizer que a Frente Cidadã tem em sua origem o berço da direita baiana oriunda do carlismo. Digamos que Itororó terá um novo grupo que propõe um caminho para uma “nova direita”. Nesse sentido, já é melhor do que as velhas por nós assimiladas há muito tempo. O conceito dessa filosofia requer outra discussão.

O certo, é que a Frente Cidadã terá candidato (a) na próxima eleição. Os quatro nomes citados são filiados do PV; nas eleições desse ano o grupo deu votos para três candidatos: Heraldo Rocha, Jutahy Magalhães e Mão Branca. Como o grupo vai se organizar partidariamente para conseguir registro é que vai ser a maior dor de cabeça. Pois, os partidos dos deputados que o representa DEM, PSDB e PV, podem não encontrar no grupo em Itororó, a legitimidade histórica dessa representação, e aí, pode o grupo, dar com os burros n’água.

Antes de dizer para a sociedade que terá candidato (isto é secundário) e está bem posto; a Frente Cidadã precisa dizer claramente, programaticamente, o que ela quer para Itororó e, como ela vai fazer para entrar na disputa com chances sem as práticas dos demais.

De repente, diferente de Adroaldo que sempre teve o discurso de esquerda, quando entrou na prefeitura fez um radical governo de direita. De repente, não mais que de repente, teremos um grupo, irmão siamês da direita histórica na Bahia que, ganhando as eleições em nossa cidade, faça um governo para a maioria: de esquerda.

Minha leitura é sobre (politicamente), aqueles que fazem fila para disputa ao cargo que se desenhou durante as eleições deste ano. Se os distintos candidatos citados não puderem participar do pleito é porque, a priori, saberão que vão ter os seus registros negados pela Justiça Eleitoral. Mas, enquanto isso, eles vão fazer de tudo para não apoiar um substituto, pois entendem eles, que nenhum outro nome se encontra à suas alturas para governar o município.

De uma coisa, podemos ter certeza: eles estão certos, e a população também; não é à toa, que Marco e Edneu completam, juntos, 28 anos no poder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário