LUIZA

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Professor perde salário de R$ 14 mil por ato racista



Em novembro de 2014, a Ouvidoria da Ufes recebeu duas denúncias envolvendo o professor Malaguti. Uma delas realizada por alunos do curso de Ciências Sociais. Na ocasião, Malaguti teria feito declarações racistas dentro de sala de aula durante uma discussão sobre cotas raciais.
“Eu detestaria ser atendido por um médico negro ou advogado negro”
Segundo os presentes ele teria justificado sua frase com a seguinte explicação:
“Tenho dificuldade em adaptar minha linguagem culta para explicar conteúdos para uma turma incapaz, onde há presença de alunos cotistas, que não possuem capacidade de interpretação de termos complexos”Com o intuito de apurar as denúncias, foi nomeada uma Comissão de Sindicância a fim de apurar se a atitude do professor configurou infração disciplinar, com base na a Lei 8.112 (que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores publicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais), e apresentar a conclusão do processo.
E a conclusão não poderia ter sido diferente. Resultou na DEMISSÃO do professor. Depois de 31 anos como professor concursado da Universidade Federal do Espírito Santo, o professor Manoel Luiz Malaguti perdeu o emprego, a estabilidade e um salário de R$ 14.000,00.
Este gesto simbólico serve de exemplo para os aprendizes de racistas que destilam ódio racial nas redes sociais. Se até professor concursado é punido, imagine você analfabeto funcional que acredita em hierarquia racial.
Veja aqui neste vídeo uma entrevista do professor dias após a denúncia. Ele ainda se vangloriando do gesto que resultou em sua demissão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário