LUIZA

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Prefeitura busca reconhecimento federal da situação de emergência em Itabuna




O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, encaminhou pedidos ao Ministério da Integração Nacional, à Secretaria Nacional de Defesa Civil e á Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia para a situação de emergência decretada na semana passada, por causa longo período de seca, seja oficialmente reconhecida. O município quer a liberação de recursos, veículos e equipamentos dos governos Estadual e Federal para amenizar os prejuízos provocados pela estiagem nas zonas rurais e urbana.
De acordo Vane, os prejuízos gerados por causa da falta de chuvas já são incalculáveis, com a perda da parte da produção agrícola e pecuária, seca das nascentes dos rios Almada, Colônia e Salgado e riachos e ribeiros afluentes, que abastecem os mais de 220 mil habitantes do município. O prefeito está muito preocupado porque o longo período de estiagem – já são mais de 130 dias sem chover- também ameaça o funcionamento do comércio, escolas e creches e até de clínicas e hospitais pelos problemas de abastecimento d’água.
No pedido, o prefeito de Itabuna informa que os danos e prejuízos decorrentes da falta de chuva, implicaram no comprometimento da capacidade de resposta econômica do poder público municipal. Por isso, existe a necessidade de auxílio financeiro complementar dos governos do Estado e Federal para as ações de socorro e assistência à população, justificando o pedido de reconhecimento da situação de emergência.
O governo municipal quer que seja determinado pelo governo federal o envio de homens e equipamentos do Exército Brasileiro para reforçar o serviço de distribuição de água por carros-pipa para atender, principalmente os moradores da zona rural; suporte financeiro e aquisição de equipamentos para construção de cisternas, envio de mais carros-pipas, compra de cestas básicas para distribuição aos produtores rurais das regiões do município residentes áreas nas mais afetadas pela seca.
Paralelamente aos pedidos de socorro e as primeiras medidas emergenciais já adotadas pelo município, Vane reforçou os pedidos à Embasa e ao Governo do Estado para que as obras de construção da barragem no Rio Colônia, em Itapé, sejam aceleradas para resolver em definitivo o problema da falta de água em Itabuna. Nesta tarde o prefeito será recebido em audiências nas secretarias estaduais de Agricultura e de Desenvolvimento Regional e na Embasa.
Segundo o coordenador municipal da Defesa Civil, Roberto Avelino, inicialmente, serão necessários investimentos emergenciais de R$ 2.850 milhões nas ações para mitigar os efeitos da estiagem. “Enquanto isso, adotamos um sistema emergencial para que a população não fique desassistida com a distribuição de água em carros-pipa da Emasa. Reforçamos o apelo para que a população colabore, porque não existe mais de onde retirar água para o consumo humano. Estamos trabalhando no limite da nossa capacidade para que a população não sofra ainda mais”, afirma.
Roberto alerta que a situação em Itabuna tende a se agravar nos próximos dias, porque as chuvas previstas pelos institutos meteorológicos não caíram e, muito provavelmente, não deve chover forte para regularizar o abastecimento de água e reduzir os efeitos da seca na agricultura e pecuária na região. Ele diz ainda que muita gente até agora não entendeu a gravíssima situação e segue usando a água potável disponível para lavar garagem, calçadas e veículos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário