sexta-feira, 10 de junho de 2016

ADAB capacita multiplicadores para implantação do Sistema de Mitigação de Risco de praga da bananeira

A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri), vai realizar cursos de multiplicadores para implantação do Sistema de Mitigação de Risco (SMR) para Sigatoka-negra. Estas capacitações estão previstas no Plano de Contingência da praga, o qual delimita os locais de ocorrência e estabelece a implantação e manutenção do SMR, com a proposta de minimizar os impactos econômicos, sociais e ambientais causados pela mais grave doença da bananeira, que pode causar perdas de até 100% da produção.
“A produção de banana tem importância socioeconômica significativa, com área total de 80.000 ha, gerando dois empregos por hectare na Bahia. O negócio da banana movimentou R$1,709 bilhão em 2014, e cerca de 77,5% das propriedades de são de pequenos agricultores, com até 20 ha. Caso a Sigatoka-negra se dissemine por todo o Estado, o impacto socioeconômico será incalculável para todos os elos da cadeia produtiva”, ressalta o secretário da Agricultura, Vitor Bonfim.
O primeiro curso teve início na última terça-feira (7), no Espaço Vibração, município de Presidente Tancredo Neves, e encerrado na quarta-feira (8), com as aulas práticas. O próximo curso acontece entre os dias 15 e 16 de junho, no IF Baiano, em Valença. O público-alvo são todos os profissionais ligados à extensão rural do baixo sul da Bahia: engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas; CEPLAC; SENA; profissionais das Secretarias Municipais de Agricultura; Bahia Ater e SDR.
O fiscal estadual agropecuário e coordenador do Projeto Fitossanitário da Sigatoka-negra, Alessandro Oliveira, informa que a aula prática segue metodologia de um Dia de Campo, com estações divididas pelos temas das palestras. “A expectativa é que estes cursos sirvam como forma de implantação das medidas fitossanitárias nas áreas detectadas com Sigatoka-negra. O intuito é conviver com a praga, viabilizando a comercialização dos produtos. Que não fique só na teoria”, disse o coordenador. Alessandro falou sobre as formas de detecção de Sigatoka-negra na Bahia e novos procedimentos de trânsito da banana.
Zilton Cordeiro e Fernando Haddad, ambos da EMBRAPA, apresentaram palestras sobre o “manejo integrado do mal-de-Sigatoka da bananeira” e o “Mal-do-Panamá da bananeira: situação atual, diagnóstico e ações da Embrapa para o manejo integrado da doença”, respectivamente. Eles também ministraram as aulas práticas sobre as práticas de controle integrado e reconhecimento de sintomas do mal-de-Sigatoka em campo e a sintomatologia, coleta de material para diagnóstico e manejo integrado do Mal-do-Panamá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário