LUIZA

terça-feira, 11 de julho de 2017

No Ginásio de Esportes, alunos da rede municipal têm espetáculo circense gratuito



Jéssica Pereira da Silva, 12 anos, moradora de Olivença, nunca havia assistido a um espetáculo circense. Ela foi uma das estudantes da rede municipal de ensino que puderam acompanhar gratuitamente a apresentação dos artistas do Circo Mundial, instalado provisoriamente no Ginásio de Esportes Herval Soledade. O mau tempo impediu que a temporada do grupo pudesse acontecer na avenida Soares Lopes. A lona principal do circo não pôde ser montada devido aos fortes ventos registrados nos últimos dias.
A Prefeitura aceitou ceder as dependências do ginásio desde quando houvesse uma contrapartida social. Jéssica e centenas de crianças atendidas por programas sociais e alunos que vivem na zona rural do município foram convidados a participar do espetáculo. “Fiquei encantada quando a professora nos contou sobre a nossa vinda. Fiquei ansiosa para ver os equilibristas e estou amando tudo”, resumiu, emocionada, Jéssica.
Nas arquibancadas do ginásio de esportes, crianças da Apae e das escolas nucleadas de Olivença, participaram da sessão das 15h30min desta segunda-feira (10). A apresentação que revela o mundo encantados do circo foi dividida em duas partes, com intervalo de 10 minutos, em uma hora de espetáculo. Com brilho nos olhos e o sorriso solto na garganta, elas vibravam e participaram ativamente do encontro. E, como elas se emocionaram...
A abertura se deu com performances em um bambolê gigante. Contorcionistas, acrobacias aéreas em tecido e em arcos, equilibristas a uma altura de 2,5 m., tiraram por segundos, o fôlego da criançada.
Para a secretária de Educação, Eliane Oliveira, poder transportar crianças que nunca tiveram a oportunidade de ver um espetáculo circense, é igualmente mágico. “Prazeroso saber que o prefeito tem um olhar voltado para as crianças, para a magia do brincar, aprendendo. Formar não é só estar dentro de uma sala de aula, é interagir com elas, permitindo oportunidades como esta, socializando-as”, disse.
A professora e diretora geral da APAE, Vitória Penalva, definiu em uma só palavra o convite: inclusão. “Apesar da deficiência, minhas crianças têm autonomia e o entendimento para participar deste mundo diferente e mágico que é o circo”, garantiu.
Andreza Aldarado, diretora geral do Circo Mundial, faz parte da quinta geração de família circense. “O circo vive de sua bilheteria. A prefeitura de Ilhéus permitiu que a trupe se apresentasse no Herval Soledade. Em contrapartida, duas sessões seriam gratuitas para as crianças. Nunca vivemos uma situação como esta. Foi lindo para que o show continuasse”, resumiu.
De acordo com o diretor de Esportes do município, Danilo Rabat, para a cessão do espaço público foram tomadas todas as precauções técnicas para preservar a quadra poliesportiva do ginásio, que recebeu uma proteção especial. “O esforço que fizemos foi no sentido de garantir que um patrimônio cultural brasileiro se apresentasse para o público infantil e para as famílias ilheenses”, explicou. “Entre as críticas dos que podem pagar pelo espetáculo e a alegria de quem pôde pela primeira testemunhar a magia do circo, tenho certeza de que a decisão foi acertada e que valeu a pena”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário