sábado, 20 de julho de 2019

Operação Labirinto: advogada e chefe do tráfico de drogas em Quixeramobim são presos

Dando continuidade às prisões referentes à Operação Labirinto, que investiga uma organização criminosa atuante no Sertão Central, a Polícia Civil do Estado do Ceará prendeu, nessa quarta-feira (17), uma advogada e o chefe do tráfico de drogas em Quixeramobim, por força de mandados de prisão solicitados pela PCCE. A dupla é suspeita de integrar uma organização criminosa desarticulada pela Polícia através da operação. As prisões de ontem foram realizadas por equipes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e das Delegacias Antissequestro (DAS) e Metropolitana de Maracanaú (DMM) em duas ações distintas.
A primeira a ser presa foi a advogada Nohara Freire Dantas (29). Ela foi capturada por equipes da Core e da DAS no bairro Jóquei Clube, na Área Integrada de Segurança 06 (AIS 06) de Fortaleza. No momento da abordagem, a mulher não resistiu à prisão.

Em outra ação, policiais civis da delegacia metropolitana de Maracanaú prenderam João Batista dos Santos Filho (31), vulgo “Cadeado”, que já responde por tortura, tráfico de drogas e uma contravenção penal. Ele foi capturado em uma residência no bairro Santa Marta, em Pacatuba, na AIS 12. Os policiais civis investigavam uma denúncia anônima referente o tráfico de drogas na área e localizaram o infrator que, ao avistar os policiais, tentou fugir, mas foi capturado. Com ele, a Polícia apreendeu uma carteira de habilitação falsificada. “Cadeado” foi encaminhado para a sede da DMM onde foi cumprido o mandado de prisão. Ele também foi autuado em flagrante por crime contra a fé pública.

Conforme as investigações desenvolvidas na operação Labirinto, a advogada, utilizando-se do seu ofício, tinha acesso a informações confidenciais e repassava para membros da organização criminosa. Já “Cadeado” é apontado como o chefe do tráfico de drogas em Quixeramobim.

1ª e 2ª fases da Labirinto

No último mês de abril, a Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) deflagrou a 1ª fase da Operação Labirinto, que teve como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão e de prisão em desfavor de alvos que integram uma organização criminosa com atuação em municípios do Sertão Central. Na época, foram cumpridos mais de 130 mandados de prisão e busca e apreensão.

Já no mês de junho, a PCCE deflagrou a segunda fase da Operação Labirinto, que teve como alvo o confisco de bens adquiridos por meio de infrações penais. A operação foi realizada nas cidades de Fortaleza, Baturité, Capistrano e Itapiúna. Nesta fase, a Polícia Civil prendeu quatro pessoas, cumpriu cinco mandados de busca e apreensão – que resultaram na apreensão de documentos –, além dos sequestros de oito veículos, oito empresas, um apartamento, um terreno situado em um condomínio de luxo e uma carta de crédito no valor de 400 mil reais. O valor total dos bens apreendidos ultrapassa os R$ 4 milhões.

Operação

O trabalho policial é resultado de investigações da Delegacia Municipal de Quixeramobim, com apoio da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), sobre o envolvimento de integrantes com o tráfico de drogas e outras práticas ilícitas na região do Sertão Central. Os levantamentos policiais tiveram início em janeiro de 2018, com foco nas negociações de entorpecentes da organização criminosa que atua na região, em especial, nos municípios de Quixeramobim, Milhã e Senador Pompeu, todos localizados na Área Integrada de Segurança 20 (AIS 20).

Nenhum comentário:

Postar um comentário