segunda-feira, 9 de março de 2020

Sob chuva, mulheres protestam contra Bolsonaro na avenida Paulista



SÃO PAULO, SP, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Grupos feministas se reúnem na avenida Paulista, centro de São Paulo, em uma manifestação pelo Dia Internacional da Mulher, celebrado neste domingo (8).

BRUNO B. SORAGGI E JÚLIA ZAREMBA  - Às 14h, horário para o qual o ato foi convocado, manifestantes de coletivos como Evangélicas pela Igualdade de Gênero, Central Sindical Popular e Mulheres do Sindicato dos Metroviários de SP já se reuniam no vão-livre do Masp e no parque Mario Covas sob chuva, que durou até às 15h30.
O ato também conta com a presença de grupos ligados a partidos, como Psol, PSTU, PCO e PT —há uma cabana de filiação para esta legenda.
Portavam tambores, bandeiras e faixas com dizeres em lembrança à vereadora Marielle Franco, assassinada em 2018, a favor da democracia, contra o presidente Jair Bolsonaro e e em defesa das mulheres, como “em casa, na rua, no trabalho e no transporte: exigimos respeito! Basta de violência”.
Fora Bolsonaro! Ele não, ela sim! Nenhuma a menos!”, repetiam os presentes em coro, ecoando fala de uma representante do Cabaré Feminista em uma caixa de som. “Ele não, ele nunca, nós sim!”, Nós não queremos Doria governador!”, emendou ela.
Um tumulto ocorreu quando um homem foi expulso do agrupamento em frente ao parque Mario Covas após ofender uma das representantes do coletivo. Alterado, ele foi sendo empurrado para longe da reunião e foi embora pela alameda Ministro Rocha Azevedo.
Um coletivo formado por nove organizações religiosas entoava “quem é cristão não apoia a ditadura, Bolsonaro não é cristão coisa nenhuma” durante o ato.A chuva não impediu a estudante Marina Pio, 23, de participar do ato. “É um dia muito simbólico, e as mulheres têm que se posicionar e mostrar que exigem um país com mais respeito e representatividade”, diz ela, para quem “o movimento feminista e o contra o governo Bolsonaro são paralelos.”
A técnica de segurança do trabalho Karine Goulart, 31, foi ao ato com um cartaz escrito “o que é coronavírus perto do feminicídio”. “As pessoas colocam mais energia no vírus do que no tanto de mulher que morre todo dia. Ninguém pensa em como parar isso, que também é muito importante”, diz.
Fruto de um grupo de WhatsApp criado na segunda (2), o grupo Mulheres pela Democracia encenava gestos inspirados na coreografia feminista chilena “Um violador no teu caminho”. ​
“Marielle presente! O assassino dela é amigo do presidente”, cantava o coletivo independente formado por Claudia Silva. “Criei um grupo de WhatsApp com três amigas e ai começamos a divulgar”, diz ela. “Hoje temos aqui gente de São Paulo, Ubatuba, São José dos Campos, Campinase ABC.”
Sobre a coreografia, ela conta que cada uma ensinou por si própria em casa. “Aí hoje nos reunimos um pouco antes do começo da manifestação e ensaiamos umas 15 vezes”, segue ela, que afirma que cada uma das 150 integrantes ali presente contribuiu financeiramente como pôde. “Umas fizeram lenços, outras fizeram a faixa. Cada um fez o que pôde.”
A assessora parlamentar Iara Bento, 45, foi ao ato para lutar contra o governo Bolsonaro. “O processo de desconstrução de políticas públicas atinge mulheres e, sobretudo, as mulheres negras”, diz ela, que estava com a Marcha das Mulheres Negras.
Em São Paulo, o protesto envolve mais de 80 entidades (entre coletivos feministas, movimentos sociais e siglas de esquerda), as organizadoras pretendem atrair 60 mil pessoas, mesmo tamanho do público estimado no ano passado.
O ato começou a ser preparado em janeiro, já com o tema "Mulheres contra Bolsonaro". Segundo líderes, a ênfase no nome do presidente se impôs por causa das ações contrárias a demandas históricas do movimento, como igualdade de gênero, combate à violência doméstica e descriminalização do aborto.
O protesto se soma a outros dois de oposição ao governo marcados para este mês: o do dia 14, que pedirá esclarecimentos sobre a morte de Marielle Franco na data em que o assassinato faz dois anos, e o do dia 18, organizado inicialmente por melhorias na educação e nos serviços públicos.
O ato ocupa quatro faixas de três quarteirões da avenida e desce a rua Augusta em direção ao centro. Policiais militares no local estimavam o público em 1.000 pessoas por volta das 15h30.
Em Brasília, grupos de mulheres e organizações sociais saíram em marcha na região central da cidade na manhã deste domingo (8). A caminhada passou pelo Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal, e a Funarte (Fundação Nacional de Artes).
O ato teve mensagens contra o machismo, o racismo e a violência, além da defesa de direitos dos trabalhadores.
Junto ao grupo, estavam participantes do Encontro Nacional de Mulheres Sem Terra. De acordo com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), este foi o primeiro encontro organizado exclusivamente por mulheres camponesas.
PROTESTOS EM MARÇO
Dia 8 (domingo) Mulheres irão às ruas em atos pelo Dia Internacional da Mulher, com ênfase nas críticas a Bolsonaro, associado pelos movimentos a retrocessos nas questões femininas.
Dia 14 (sábado) Manifestações pedirão esclarecimentos sobre o assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, que completará dois anos na data.
Dia 15 (domingo) Simpatizantes do governo Bolsonaro farão atos em apoio ao presidente, mas também são esperados ataques ao Congresso e ao Supremo, com pedidos de fechamento de ambos.
Dia 18 (quarta-feira) Ato convocado inicialmente em defesa da educação pública ganhou o reforço de centrais sindicais e envolverá paralisações de servidores e pressão por impeachment de Bolsonaro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário