quarta-feira, 19 de outubro de 2022

Vitória da Conquista: Instrutor de Colégio da PM é acusado de abuso sexual contra estudantes


A Polícia Civil investiga denúncias de assédio sexual contra estudantes de um Colégio da Polícia Militar, em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. A apuração está a cargo do Núcleo de Repressão à Crimes Praticados contra a Criança e ao Adolescente do município. O Ministério Público Estadual (MP-BA) solicitou ontem (18) a instauração de um inquérito policial para apurar o caso. Segundo a TV Sudoeste, o caso aconteceu no final do último mês de julho. Mais de dez meninas de até 12 anos alegam terem sido vítimas de abusos praticados por um policial militar que atuava como instrutor no colégio. Segundo os pais das vítimas, ele usava da posição de poder para que as meninas não o denunciassem e não se recusassem a fazer o que era pedido. “Ele falava que o uniforme estava errado, que precisava corrigir a postura das meninas. Chamava as meninas na frente da sala e pedia para que elas levantassem o braço. Nisso, ele passava a mão nos seios (delas). (Mandava as meninas) juntarem as pernas e passava a mão entre as pernas”, disse a mãe de uma das alunas à TV. Ainda segundo a Polícia Civil, até o momento, apenas uma vítima registrou ocorrência. Os representantes legais das demais ainda serão convocados até a delegacia para escuta especializada das vítimas. Outros detalhes do caso são preservados devido à legislação que veda a divulgação de atos judiciais, policiais ou administrativos referentes a criança ou adolescente, conforme estabelecido nos artigos 143,144 e 17 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Sobre as denúncias, o tenente-coronel Selmo Luiz, diretor do colégio, disse que tomou conhecimento do fato ainda no mês de julho. “Fizemos a oitiva das pessoas que se julgavam prejudicadas e, no primeiro dia útil posterior, iniciamos o processo. Tudo foi informado, feito dentro do prazo legal e encaminhado à Corregedoria da PM para que fosse solucionado”, explicou. O suspeito foi afastado da escola para que a “apuração ocorresse de forma isenta”. O militar foi transferido para outra unidade não especificada. O colégio ainda conta com câmeras de segurança em todas as salas, mas, na sala onde teria acontecido o abuso, não foram registradas as imagens porque, segundo o diretor do colégio, a câmera estava com defeito no dia e as imagens não ficaram gravadas. “Elas estavam transmitindo, mas não estavam gravando. A gente tentou resgatar de alguma forma, mas não conseguimos, mas isso não invalida o processo de apuração, porque foram ouvidas todas as pessoas”, disse o tenente-coronel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário